16 itens para você avaliar seu ponto comercial

Quais são as características de um ponto comercial que devem ser consideradas para avaliar seu ponto atual ou um novo ponto para uma mudança de endereço? A questão é simples se lembrarmos que o lugar deve ser voltado para facilitar o cliente chegar ao seu negócio. Simples assim, e para isso precisamos ver cada característica – some os pontos para ter uma nota final

  1. A região é segura? Não há dúvida que se o bairro ou se os quarteirões próximos ao seu ponto forem pouco seguros, no sentido de uma pessoa não se sentir ameaçada ou em perigo, seu negócio terá um ponto positivo. Mas, se essa condição não estiver satisfeita, seu ponto comercial perde 30 pontos. Ganhar pontos significa qualidade para seu negócio e perder pontos implica que parte do seu público alvo não irá ao seu ponto comercial.
  2. Chegar ao local é fácil? Pense em como seu cliente chega ao seu negócio. Se for de carro, o trânsito flui de forma normal para a cidade ou apresenta congestionamentos constantes? Se for de transporte público, há uma parada a poucos metros, digamos menos de 100 passos? Se sim, ganhou mais 10 pontos, senão não ganha nada.
  3. Tem estacionamento suficiente para a demanda do seu negócio? Compreenda que assim como você, os seus clientes também têm a necessidade de estacionar. Se seu ponto comercial não tem estacionamento próprio, você precisará contratar um estacionamento para receber seus clientes (chamamos isso de convênio) ou então ter a rua sempre com muitas vagas livres. Se sim, ganhou 10 pontos.
  4. Acesso fácil para os colaboradores? Talvez você pense em ter um ponto comercial que seja de fácil acesso aos colaboradores da sua empresa (empregados, fornecedores, etc). Mas, lembre-se que sem os clientes, os colaboradores não irão receber a remuneração pelos seus serviços. Então, considere que a locomoção deles é um custo e reduzir esse custo implica em contratar quem more mais perto. Facilitar a vida dos colaboradores pode resultar em um ponto comercial menos interessante. No caso de uma empresa que demande grande quantidade de pessoas trabalhando, talvez seja o caso de considerar esse aspecto – mas isso não é uma regra. Por que muitas vezes eu mesmo deixei de ir a restaurantes que gosto? Foi exatamente porque não me sinto seguro no bairro onde eles estão. Nesse tópico não há ganho de pontuação.
  5. Acesso para pessoas com deficiência, crianças e idosos é fácil? Isso não pode ser esquecido. Mesmo que seu cliente mais comum não esteja nesse grupo, ele sempre poderá vir com seu filho ou amigo e não irá até seu ponto. Além disso, essa demonstração de respeito às pessoas com alguma dificuldade é uma boa forma de demonstrar a boa índole do seu negócio. Isso inclui, por exemplo, ter uma área separada para crianças brincarem enquanto esperam os pais, uma área para os maridos ou pelo menos um lugar confortável para sentar enquanto as mulheres escolhem suas compras de roupas, um espaço maior em uma ou duas mesas para cadeirantes em um restaurante, e assim por diante. Ter isso garante mais 10 pontos para seu ponto comercial.
  6. Será possível obter um alvará de funcionamento nesse local? A prefeitura poderá negar a autorização de você ter o seu negócio em um local, dependendo de várias exigências que dependem da natureza do seu negócio. Pesquise antes se isso é viável. Se não for, a nota final do ponto comercial é zero – inviável.
  7. O espaço é adequado? Se o seu negócio precisa de 100 metros quadrados, por exemplo, não é aceitável qualquer área menor que isso. Uma área maior é aceitável se for usada para melhorar o fluxo das pessoas, mas considere que uma área muito maior pode ser um fator negativo para a sua avaliação do ponto. Se o espaço for adequado ganhe 5 pontos, se for até 20% maior que o adequado ganhe 10 pontos – acima disso considere 5 pontos. Área menor que a sua necessidade, desconte 10 pontos.
  8. A visibilidade do negócio é boa? Se for em um comércio de rua, volte a pé na direção contrária dos carros por 70 passos e atravesse a rua. Se você conseguir ver totalmente a sua placa (ou onde irá colocar sua placa) dê 10 pontos. Se você não enxerga seu ponto comercial, dê nota zero. Para negócios na rua, não ser visto é o mesmo que não existir.
  9. Imóvel de esquina? Se o imóvel for de esquina e estiver à direita do fluxo de carro das 2 ruas, some mais 10 pontos. Se estiver à direita de uma rua, some 5 pontos e tire 5 pontos se estiver na esquina contrária. A explicação para tudo isso é que nas esquinas, os motoristas olham para onde os carros estão vindo, mas quase nunca olham para a esquina contrária.
  10. A velocidade dos carros é alta? Ruas com trânsito em velocidade baixa são excelentes para que os motoristas notem seu ponto comercial. Ruas com pouco trânsito podem não ser boas para atrair público dos carros, mas podem ser excelentes para público que está caminhando – já notou que as ruas com muitos pedestres têm poucos carros trafegando ou acabam virando calçadões? Ruas com trânsito rápido, independente da quantidade, são mau negócio. Conte quantos pedestres passam por hora no ponto comercial e compare com seus concorrentes de sucesso em outros lugares. Se o lugar tiver muito trânsito de carros em baixa velocidade ou muitos pedestres comparados com os pontos dos seus concorrentes some 10 pontos, senão é nota zero nesse item.
  11. Você é único no lugar, é um lugar com muitos pontos no mesmo ramo ou é mais um apenas? Na primeira situação, ser o único pode ser bom (mais 10 pontos) somente se é algo que faz falta no lugar – você pode medir isso perguntando, por exemplo, onde fica tal loja de xxx aqui perto? Algumas regiões da cidade, são conhecidas por serem de um tipo de negócio. Por exemplo, uma rua só para peças de motocicletas, outra só para roupas de noivas (Rua São Caetano, em São Paulo), etc. Nesses casos, a concorrência é forte, mas quase todos que vão até lá irão com forte intenção de compra. Você só terá sucesso se seu negócio conseguir se diferenciar muito dos demais – seja por preço ou por qualidade, se isso é o seu caso some 10 pontos, senão considere zero pontos. A última hipótese é você ter mais um ou poucos concorrentes, e essa situação normalmente não é muito boa, depende do quanto seu ponto comercial se diferencia dos demais – some 5 pontos se o ponto é diferenciado.
  12. Sombra à tarde. Se o seu imóvel tem a frente para o Oeste (leve uma bússola, use um App para isso ou veja o imóvel à tarde) significa que à tarde estará sem sombra e está provado que as pessoas preferem fazer compras caminhando na calçada que está com sombra nesse horário. De manhã o sol não incomoda tanto. Se a fachada do ponto tiver sombra à tarde, some 5 pontos.
  13. Vitrine. Se o ponto oferece muito recuo na frente do ponto, isso pode dificultar que a pessoa caminhe até a loja. É possível reverter esse aspecto com uma bela e visível vitrine. E esse recuo pode ser usado como estacionamento. Se as condições não forem viáveis para ter uma bela vitrine, mesmo que sem recuo desconte 10 pontos na sua soma.
  14. Não há, de forma nenhuma, nenhuma evidência que manter as portas fechadas afasta clientes, especialmente se for em uma região quente ou fria demais. Considere que uma porta de vidro com um adesivo “Ar Condicionado” ou “Está quentinho aqui dentro” atrai clientes, não os afasta de forma geral. Não desconsidere ponto comercial com portas de vidro. Esse fator não conta pontos.
  15. Não há, de forma nenhuma, indicativo de que degrau na entrada do ponto comercial seja prejudicial para os negócios. Isso é lenda. Mas, não pode deixar de ter um acesso para cadeirantes. Esse fator não conta pontos.
  16. Os banheiros para clientes são elegantes? Ninguém aguenta ir em uma loja e encontrar um banheiro indigno. Eu passei uma raiva tremenda quando parei na cidade de Porto Ferreira, a cidade das cerâmicas, e não havia um único banheiro público na rua da cidade paralela com a estrada. Depois de várias lojas, uma tinha o banheiro para clientes – estava imundo e, ainda por cima, machuquei meu dedo no trinco da porta (nojento) que era de “latinha” e enroscava para fechar. Não parei nunca mais naquela cidade, mesmo passando 2 vezes por semana na frente. (não infeccionou, mas fiquei muito tempo preocupado se não peguei uma hepatite ou algo pior lá). Se não tiver banheiros adequados feminino e masculino, com possibilidade de adaptação para pessoas com deficiência, não aceite. Tendo essas condições, some 10 pontos.

Enfim, se o seu negócio atinge 90 pontos ou mais, vale a pena considerar com seriedade que é um bom ponto comercial. Senão, pense muito antes de fechar o ponto. Recomendo ler meu artigo de pesquisa científica sobre pontos comerciais meu artigo “Decisões de localização: estudo de características de ponto em uma rede de drogarias

Esse texto é parte da Plataforma NewisCool que ensina pessoas a se tornarem empreendedores de sucesso. Recomende e compartilhe com seus amigos.

Dez erros ao abrir um negócio e como evitar falhar por eles

O tempo de recolocação no mercado de trabalho sempre é e sempre será uma das maiores preocupações de quem busca voltar para a vida. Entretanto, muitas dicas profissionais apontam para a necessidade de se requalificar, ou seja, buscar treinamentos.

Pode ser uma boa opção buscar se diferenciar mostrando que durante o período desde o último emprego você não ficou parado. Mas, uma análise geral pode indicar que o prazo entre o último emprego e o próximo pode até ultrapassar um ano. Então o que fazer, além de melhorar a qualificação para as próximas entrevistas? Não é simplesmente ficar esperando por vagas de emprego – é muito mais que isso.

São mais de 13 milhões de desempregados competindo por bons empregos e isso não vai melhorar rapidamente, não importa qual seja o governo. Você tem que agir. E você pode ter seu negócio de sucesso se evitar os erros mais graves. Veja isso:

1)Abrir o negócio por falta de opção

A primeira coisa que a maioria das pessoas faz quando percebe que não será fácil conseguir um novo emprego é pensar em abrir algum negócio próprio para obter sustento até conseguir um emprego. Esse raciocínio é muito lógico, mas não é exatamente o melhor caminho.

Se compararmos os empreendedores brasileiros com os dos Estados Unidos, o que se nota é que lá se abre negócios por oportunidades interessantes. Aqui, no Brasil, se abre por falta de oportunidade. Essa situação acaba levando ao fracasso especialmente porque o nosso novo empresário não se preparou para abrir o negócio.

Esse erro pode ser contornado se você buscar treinamento para abrir um novo negócio. No Brasil, o SEBRAE oferece inúmeros treinamentos para isso, também. Entretanto, o que não fica claro, mesmo em serviços existentes há décadas, é porque 6 em cada 10 empresas novas fecham em menos de 5 anos.

No Vale do Silício, nos Estados Unidos, está a maior concentração de novas empresas do mundo – são chamadas startups. Essas empresas são abertas a partir de oportunidades de negócio que são visualizadas por jovens, normalmente, e que chegam a valer centenas de milhares de dólares, algumas passam de 1 milhão de dólares de valor do negócio. A NewisCool usa a mesma técnica que essas empresas usam lá, vale a pena conhecer, clique aqui.

2)Abrir o negócio sem preparo pessoal

Não se trata apenas de ter aberto o negócio por falta de opção mas, também, por falta preparo para essa nova atividade. A Newis Cool oferece isso a baixo custo por ser capacitação a distância usando métodos atuais e modernos que são os mesmos que fizeram muitos jovens, até mesmo antes dos 20 anos terem sucesso rapidamente, principalmente nos Estados Unidos, onde o mercado de novos empreendedores não é tão fácil como se imagina. Ao contrário, lá há muito mais dificuldade em abrir novos negócios de sucesso, a diferença está em que os novatos aprendem antes e durante o processo de abrir a nova empresa.

Pense abrir seu negócio em casa e vá se preparando enquanto vai analisando o negócio e testando a cada passo.

3)Abrir o negócio pensando só no lucro

Lógico que um dos pilares da sustentabilidade é ter lucro. Mas nenhuma empresa pode olhar só o lucro como seu objetivo porque os clientes percebem isso. Os clientes querem que as empresas ofereçam “valor”. Veja isso por você mesmo: ao comprar arroz, se você não quer algum arroz especial e raro, vai comprar o tipo padrão comum. A única diferença é o preço e você vai querer o mais barato porque todos são iguais. A coisa que faria você preferir comprar em um lugar que cobre um pouco a mais é o valor agregado por essa loja, que pode ser, por exemplo, parcelar a compra no cartão de crédito em mais vezes. Isso é um serviço que agregou valor a uma coisa que é igual em todos lugares.

A mesma coisa acontece quando se pensa em ir a um Shopping. Se você quer economizar e ir a um que tenha atividades para todos, desde os filhos até a sogrinha, você está escolhendo buscando o valor adicional que o Shopping oferece. Senão você iria gastar mais para ter os mesmos serviços indo a vários lugares e todos ficariam cansados porque passaram algum tempo para cada lugar que não for do seu interesse.

O “valor” entregue ao cliente é o que faz sua empresa gerar lucro porque as pessoas estão dispostas a gastar mais para ter algo que tenha benefícios e isso é o que gera o lucro. O grande erro está em olhar um negócio para abrir sem analisar qual é o valor entregue ao cliente que fez aquele negócio prosperar. O lucro imediato não é a solução se ele não for permanente.

Para resolver esse problema, você deve analisar o “valor” entregue ao cliente e se esse valor é que faz o negócio ser próspero e permanente.

4)Abrir o negócio sem escalabilidade

Escalabilidade é a capacidade que um negócio tem de crescer rapidamente e com pouco esforço para criar estrutura. Um exemplo disso é o aplicativo de celulares que pode ser a base de um negócio. O aplicativo pode se tornar popular rapidamente sem que você tenha que investir mais dinheiro em desenvolvimento, ele tem a capacidade de atender mais clientes sem esforço de tempo e dinheiro. Mas, o negócio também tem que ter essa capacidade. Suponha que seu negócio seja uma pizzaria, a sua capacidade de crescimento só seria possível se você conseguir produzir mais com pouco investimento em tempo e dinheiro – a escalabilidade só seria viável se você tiver capacidade de ampliar a produção rapidamente. Nesse caso, não é um negócio escalável pois depende de aumentar os fornos e contratar mais empregados. Mas, se você fizer a produção, desde o início, acontecer de forma mecanizada, talvez usando uma máquina, a produção pode crescer usando os mesmos recursos ou com pouco investimento adicional. Mas, para chegar nisso, sua pizzaria deve oferecer algum valor real para os clientes que gere essa demanda por mais pizzas. Veja o caso da pizza Hut, ela tem um processo industrial de pizzas e para o público que gosta desse tipo de pizza, ela tem valor agregado- talvez seja o valor de ser exatamente igual toda vez que ela é entregue.

Logico que se você for abrir seu negócio em casa inicialmente, nem tudo vai ser escalável. Mas, por estar em um ambiente seguro dá para pensar em como seria quando você realmente iniciar o negócio.

5)Abrir o negócio sem testar antes

A melhor forma de saber se o negócio tem futuro é testar antes. E isso pode ser feito, na maioria dos casos, se você começar a trabalhar em casa. Ao fazer isso, você escolhe um teste de um serviço ou produto que você pode verificar antes de abrir o negócio. Não é necessário abrir uma empresa para testar uma ideia. Existem roteiros para testar negócios que evitam o prejuízo de só descobrir que não é uma ideia tão boa depois de ter investido muito tempo e dinheiro.

6)Abrir o negócio em um ramo desconhecido

Não é possível abrir negócio em algo que você não entende do assunto. Mesmo assim, acontece que muitas pessoas tentam achando que é simples. Se fosse simples e o negócio é bom, muita gente já estaria estabelecida nessa atividade. A sua chance de sucesso em algo que você já atua é muito maior porque você já é especialista nisso.

A forma de contornar esse problema é buscar um negócio que tenha relação com o que você já trabalhou ou estudou. O melhor é que seja aquilo que as pessoas sabem que você é bom.

7)Abrir o negócio sem usar administração

Você não precisa ser administrador formado e nem conhecer administração para abrir um novo negócio. Se o negócio for bom, o seu próximo passo será contratar um administrador para fazer o negócio funcionar. Aí está a diferença entre o empresário e o empreendedor: o empresário sabe fazer um negócio que já existe funcionar bem porque usa a administração como técnica, é uma ferramenta. Por outro lado, o empreendedor sabe criar e tem o funcionamento do negócio dentro de si, ele não precisa saber tudo de administração, ele precisa estar com outras competências e habilidades que o empresário não usa necessariamente.

Contorne esse problema contratando um administrador ou alguém que já tenha experiência no que é necessário para fazer sua empresa funcionar. Não queira fazer tudo sozinho e tente sempre ter tempo livre para poder melhorar o negócio do ponto de vista do cliente.

8)Abrir o negócio acreditando em sonhos e não na realidade

Todo empreendedor é um sonhador, isso é uma realidade. Mas, se você ainda não é um empreendedor existe uma grande chance de estar sonhando que vai dar certo só porque você acredita nisso. Essa é a melhor forma de fracassar.

Para ter sucesso em um sonho é necessário ver o quanto isso é viável no mundo real, verídico e verdadeiro. Para isso, é necessário analisar muito o negócio, testar qual a melhor forma de concretizar e fazer ele ser próspero. Você deve começar a busca pela realidade reservando uma quantidade de horas e um horário fixo para trabalhar no seu negócio em casa. Reserve, por exemplo, todo sábado das 8 as 12 horas para ficar fechado em um cômodo da sua casa para trabalhar no seu negócio.

9)Abrir o negócio com o sócio errado

Socorro! Tenho um sócio. Isso já foi até título de livro e é uma grande verdade. Se você escolher começar seu negócio com um sócio a chance de fracasso é muito alta se não considerou antes que o sócio serve para completar alguma deficiência sua ou para fazer seu negócio ser muito mais forte do que seria sem ele. Se não cumprir essas duas observações, seu sócio será um problema porque simpatia e amizade não fazem sucesso de nenhum negócio, servem só para ter alguém nas suas relações sociais.

Escolha seu sócio depois de ter certeza que ele irá agregar, somar e melhorar a chance de sucesso do negócio.

10)Abrir o negócio sem apoio da família

Mesmo sendo administrador faz 35 anos, tendo dado aulas nas faculdades mais reconhecidas da América Latina, poucas vezes eu vi nos cursos de administração a questão de família ser lembrada a não ser quando se fala na sucessão das empresas, que acontece quando o fundador morre.

Fiz muitas consultorias e cheguei a conclusão que o apoio da família é fundamental par ao sucesso de qualquer negócio, especialmente quando é um novo negócio.

Você deve chamar todos da sua família para participar e opinar desde o início. Mas, não estou falando de tios, primos, sobrinhos, avós. Estou falando daqueles que vivem sob o mesmo teto que você – ou seja, o núcleo familiar que irá compartilhar com você as alegrias e tristezas do dia a dia. A esposa e filhos são fundamentais nesse processo. Eles devem começar juntos com você ouvindo suas tentativas e argumentos – são os maiores interessados no seu sucesso por que se você está buscando uma solução para a dificuldade financeira, eles querem seu sucesso e não serão bonzinhos em falar que é uma ótima ideia sem acreditar nisso. Por isso, quando você testar seu negócio, escolher o sócio, investir o pouco dinheiro disponível, gastar horas no trabalho que você criou, eles vão entender que são os passos para o sucesso e não um abandono da família. Não deixe seu novo negócio se transformar na causa de frustrações e até em um divórcio – seu objetivo não é esse.

Saiba mais ao conhecer a proposta de começar seu negócio passo-a-passo, enquanto aprende empreendedorismo. Saiba mais clicando aquihttps://youtu.be/VlDAFsAK5IM.

Leia Mais